30 outubro 2014

DIÁRIO DE VIAGEM - PARIS II

Nosso segundo dia em Paris fizemos como os franceses fazem no domingo, rumamos para o Marais, um dos pedaços mais descolados do momento. O antigo bairro de imigrantes judeus, hoje é o ponto de encontro do público GLS, abriga artistas, intelectuais, modernos em geral. E o bom é que o comércio fica aberto como se fosse uma segunda-feira, e como o dia tinha sol, o lugar estava lotado. De manhã, aproveitamos o sol na Place Des Voges, considerada uma das mais belas do mundo, tem uma simetria perfeita com 36 casas, nove de cada lado, de tijolo e pedra com telhados de ardósia cinza que permanecem intactas há mais de 400 anos. A praça foi palco de muito eventos históricos ao longo dos séculos. O escritor, poeta, romancista e dramaturgo francês  Victor Hugo viveu lá por 16 anos e ali escreveu a maior parte de "Os Miseráveis". Hoje, sua casa abriga um museu que exibe a reconstituição dos seus aposentos, mostra desenhos, livros e lembranças de sua vida. Em baixo das casas, concentra-se alguns restaurantes, galerias de arte, lojas de souvenirs e uma perfumaria incrível - a Parfums et Senteurs Du Pays Basque - onde tivemos a oportunidade de conhecer o perfumista e proprietário. A loja é cheia de encanto e cheia de aromas. Almoçamos ali mesmo em um restaurante na praça e à tarde fomos alimentar a alma no Museu Carnavalet que é dedicado a história de Paris e o acervo conta com quadros, gravuras e esculturas de artistas famosos que mostram a construção da cidade. O prédio do museu foi o Hotel Carnavalet, que foi construído em 1548 e reformado em meados do séc. XVII. De lá saímos pelas ruas que estavam repletas de gente e as lojas abarrotadas.  Na frente do "L'as du Fallafel" - Rue des Rosiers, 34 (tem a fama de ser o melhor falafel de Paris e já foi descrito no NY Times como um destino culinário imperdível) ) a fila era enorme. Pra quem não sabe "falafels" são pequenas bolinhas fritas feitas à base de grão de bico e favas, é uma comida vegetariana  As ruas Rosiers, des Francs Bourgeois e du Prince de Sicile são as que mais bombam. A Zadig & Voltaire é a marca preferida das adolescentes e jovens. Tem aquele estilo básico, mas com corte perfeito e não é nada barata. A Uniqlo, marca japonesa, abriu a pouco tempo uma loja incrível lá. A marca faz roupas básicas e o carro-chefe são os suéteres e cardigans de  caschmere  e os "doudones" (aqueles casacos de matelassê bem quentinhos e levinhos) que são super baratos. Desistimos de comprar porque as filas nos caixas eram quilométricas. Fomos procurar a loja da Birkenstock, na Rua de Sévigne. Minha filha comprou uma sandália por 70 euros. Passamos pela Repetto e eu me encantei com as sapatihas e as botas. Entramos na Sandro e na Maje, duas marcas super descoladas.
Além de muitas lojas contemporâneas e boutiques vintage, no Marais se concentra muita culinária oriental. E assim passamos o domingo junto dos parisienses e de milhares de turistas.

Imagens: reprodução

29 outubro 2014

DIÁRIO DE VIAGEM - PARIS - I


Voltei de Paris ontem. Sempre que retorno de minhas andanças, faço um Diário de Viagem que compartilho com todas as minhas seguidoras, leitoras e amigas que curtem o Brasil do Bem
Sábado, finalmente chegamos em Paris! A capital da moda, a cidade luz, a metrópole francesa que é uma instituição quando o assunto é moda, auto-costura e boutiques trendiest.  Esta foi minha terceira visita à Paris e, como sempre, mais uma nova descoberta, mais um novo olhar, mais um jeito diferente de ver  e muitas aprendizagens. A primeira vez que conheci Paris, eu era recém-casada e fui com meu marido. Fizemos todos os programas que jovens casais apaixonados fazem pela cidade. Já a segunda vez, fui com marido, meu filho – que na época tinha 14 anos, minha filha – que tinha 10 e minha irmã e seu marido. Foi um passeio maravilhoso porque viajar em família é sempre incrível. Nesta vez aproveitamos e também fomos à Euro Disney.
Já agora, foi apenas eu e minha filha adolescente, que hoje tem 17 anos.

É incrível o que uma experiência dessas propicia na relação mãe e filha. A cumplicidade se reforça, os laços se estreitam e a experiência se leva para o resto da vida. Esta não foi a primeira vez que viajamos só nós duas. Em 2012, fizemos juntas uma ida para Nova York.
A cidade luz nos iluminou desde a chegada, porque em cada esquina se vê uma arte, um monumento, uma escultura, uma história e muita moda.
Ficamos no Hotel Astor Saint Honoré, na Rue D'Astorg, 11 que é super bem localizado, bem no centro histórico da cidade, pertíssimo da Igreja La Madeleine, das ruas podres de chiques como a Faubourg de Saint-Honoré e a Saint Honoré, da Place de La Concorde com  seu belíssimo obelisco de mais de 3.200 anos, das Tulherias, do Louvre, da Rue Rivoli…enfim…melhor…impossível.
Chegamos no sábado à tarde e assim que nos acomodamos no hotel, "let's go"  pra rua! Fizemos um passeio a pé pelas ruas Royale, Cambon,  Faubourg de Saint Honoré, passando pela Saint Honoré (é a mesma rua, muda de nome em determinado ponto). É o lugar mais icônico de alto luxo. Pra quem gosta de moda, é um prato cheio. Tudo o que rolou nas semanas de moda de NY, Milão, Londres e Paris estava ali, à frente de nossos olhos, nas vitrines e no interior das lojas como Givenchy, Dior, Lanvin, Sonia Rykiel, Roger Vivier, Hermés, Moschino, Gucci, Prada, Chanel. Sem contar que tem Goyard, Longchamp, Miu Miu, Michael Kors, Christian Louboutin, Gianvito Rossi, Armani, Colette, Roberto Cavalli, Valentino, Ferragamo, Annick Goutal, etc, etc, etc. Depois de entrar em muitas delas, caminhamos em direção a Champs Elyseés que tem o seu charme por ser uma avenida muito larga, arborizada e com a imponência do Arco do Triunfo. A cidade estava repleta de gente, tivemos até dificuldade para andar, com tantas pessoas. A Champs Elysées tem alguns cafés e restaurantes e muitas lojas também, muitas delas  populares como a GAP, H&M, Mango, Zara, Abercromble e também flagships da Louis Vuitton, Guerlain, Bulgari, Dior, Tiffany, e outras.
Depois de andar, fizemos é claro, algumas comprinhas, paramos em um café-restaurante e fomos jantar, pra voltar para o hotel porque o domingo nos esperaria com muitas outras coisas para se fazer e ver.

Imagens: arquivo pessoal

28 outubro 2014

16 MANEIRAS DE USAR CAMISETA BRANCA

maneiras-de-usar-camiseta-branca-1.jpg
maneiras-de-usar-camiseta-branca-2.jpg

maneiras-de-usar-camiseta-branca-3.jpg

maneiras-de-usar-camiseta-branca-4.jpg
maneiras-de-usar-camiseta-branca-5.jpg
maneiras-de-usar-camiseta-branca-6.jpg
maneiras-de-usar-camiseta-branca-7.jpg
maneiras-de-usar-camiseta-branca-8.jpg
maneiras-de-usar-camiseta-branca-9.jpg
maneiras-de-usar-camiseta-branca-10.jpg
maneiras-de-usar-camiseta-branca-11.jpg
maneiras-de-usar-camiseta-branca-12.jjpg
maneiras-de-usar-camseta-branca-13.jpg
maneiras-de-usar-camiseta=branca-14.jpg
maneiras-de-usar-camiseta-branca-15.jpg
maneiras-de-usar-camiseta-branca-16.jpg


Toda a mulher deveria ter em seu guarda-roupa uma camiseta branca. Ao lado da calça jeans ela é, sem duvida,  a peça mais indispensável que se pode ter, pois é o complemento perfeito para várias produções. 16 maneiras de usar camiseta branca é a uma postagem que achei interessante  porque assim como me ajudou a ter novas ideias e variar bastante os looks, vocês também podem tirar proveito olhando as imagens. Uma camiseta branca pode ser usada em qualquer hora do dia, e no verão podemos combinar com um short e havaianas ou fazer um contraponto, bem ao estilo high-low e usar com uma saia de paetês e subir em um salto poderoso. Tudo vai depender da circunstância e do ambiente. Aqui no Brasil, as camisetas da Hering são um sucesso. A propósito a Hering tem lançamentos novos com decotes meio canoa, redondo e em "V".  Lojas  onde podemos encontrar  são a Zara, C&A, Renner, Topshop e  a GAP. A clássica camiseta branca é aquela que tem o decote redondo, mas quem quer alongar a silhueta deve investir em uma com decote em "V". Uma dica: em vez de usar um sutiã branco escolha um em tom de pele. Quanto ao corte, eu prefiro mais soltinha, porque muito justa fica um pouco vulgar. Lembre-se sempre que a simplicidade de uma camiseta branca pode ser chique, tudo vai depender de como usá-la. Inspire-se!


Imagens: reprodução

27 outubro 2014

14 DIVAS DE HOLLYWOOD DE BIQUINI

divas-de-hollywood-de-biquini-1.jpg
Grace Kelly
divas-de-hollywood-de-biquini-2.jpg
Catherine Deneuve
divas-de-hollywood-de-biquini-3.jpg
Romy Schneider
divas-de-hollywood-de-biquini-4.jpg
Elizabeth Taylor
divas-de-hollywood-de-biquini-6.jpg
Gina Lollobrigida
divas-de-hollywood-de-biquini-6.jpg
Ava Gardner
divas-de-hollywood-de-biquini-7.jpg
Sophia Loren
divas-de-hollywood-de-biquini-8.jpg
Marilyn Monroe
divas-de-hollywood-de-biquni-9.jpg
Ursula Andrews
divas-de-hollywood-de-biquini-10.jpg
Brigitte Bardot
divas-de-hollywood-de-biquini=-11.jpg
Audrey Hepburn
divas-de-hollywood-de-biquini-12.jpg
Debora Kerr
divas-de-hollywood-de-biquini-13.jpg
Esther Williams
divas-de-hollywood-de-biquini-14.jpg
Janet Leigh
Com o retorno do biquini estilo "vintage" dá para buscar inspiração em eras passadas. A idade de ouro de Hollywood também foi a idade de ouro das divas. É sempre bom relembrar 14 divas de Hollywood de biquini que marcaram época e até hoje vivem no imaginário coletivo de muita gente.
Grace Kelly  com sua sofisticação e sua experiência como modelo antes de se tornar atriz e depois princesa. 
Ava Gardner foi e é considerada até hoje uma das atrizes mais belas da história do cinema e uma das grandes atrizes do século XX. É conhecida pela sua exuberância e fotogenia.
Brigitte Bardot que completou 80 anos no dia 28 de setembro, é reconhecida por ter popularizado o biquini usando-o em seus primeiros filmes, nas aparições em Cannes e em dezenas de fotos de revistas.
Marilyn Monroe sempre esbanjou seu lado sexy e durante sua carreira teve várias fotos de biquini e maiô.
Ursula Andrews fez muitos homens suspirar quando apareceu como a primeira "bond girl" no filme  James Bond, 007 Contra o Satânico Dr. No com um biquini branco no mar do Caribe. Biquini esse que foi feito por ela mesma, já que a atriz não ficou satisfeita com os modelos apresentados pelas figurinistas, foi vendido em um leilão em 2001 por 80 mil dólares.
Sophia Loren sempre inspirou uma sensualidade menos extravagante, porém bem definida.
Audrey Hepburn é considerada ícone de estilo e uma lenda do cinema.
Elizabeth Taylor é considerada uma das mulheres mais lindas que o cinema já teve.
Todas estas mulheres maravilhosas continuam até hoje sendo copiadas e citadas no mundo todo e nos inspirando com um charme eterno.

Imagens: reprodução
Pin It button on image hover